Morre segunda vítima de tiroteio em escola em Cambé

Por Repórter Jota Silva
Karoline Verri Alves e Luan Augusto. Foto: Arquivo pessoal / Reprodução G1

Morreu na madrugada desta terça-feira (20) a segunda vítima do tiroteio registrado no Colégio Estadual Professora Helena Kolody, em Cambé, no Paraná, depois que um ex-aluno entrou armado na instituição.

A informação foi confirmada pelo Hospital Universitário de Londrina, onde o jovem estava internado. A família do estudante autorizou a doação dos órgãos. A segunda vítima, o adolescente Luan Augusto era namorado de Karoline Verri Alves, de 17.

  • Identificado a jovem morta e o rapaz ferido, atingidos por tiros em colégio de Cambé
  • Governador decreta luto oficial de três dias em razão do episódio de violência em Cambé
  • Ex-aluno entrou armado no Colégio de Cambé, uma aluna morreu e outro aluno foi baleado
  • Presidente Lula lamenta tiroteio em escola de Cambé e cobra “caminho para paz”
  • Devido ao ocorrido em Cambé, Prefeitura de Maringá tranquiliza pais de alunos da rede municipal de ensino

O ataque ocorreu na manhã dessa segunda-feira (19). Em nota, o governo do Paraná informou que o ex-aluno teria entrado na escola alegando que solicitaria o seu histórico escolar. O atirador foi detido e encaminhado para Londrina. O governador Ratinho Junior decretou luto oficial de três dias e lamentou o ocorrido. 

De acordo com a polícia civil, o atirador afirmou que o objetivo era atacar jovens, pois, para ele, “estaria retaliando aquele sofrimento” e mágoa que guardava do tempo em que estudou no colégio. O secretário de Segurança Pública do Paraná, Hudson Teixeira, disse que, em depoimento, o autor dos disparos confirmou não ter vínculo com as vítimas. 

O secretário informou ainda que o atirador já havia efetuado um ataque com faca em uma outra escola, no passado, e foi denunciado pelo ministério público. Na época, a polícia militar foi acionada, mas ele fugiu. 

Terceiro ataque 

O tiroteio no Colégio Estadual Professora Helena Kolody é o mais recente de um total de três ataques com mortes contabilizados em escolas brasileiras este ano. Desde janeiro, pelo menos seis pessoas morreram em razão de atos violentos praticados em colégios no país.