Casa do líder do Hamas é atingida por ataque aéreo Israelense

Por Redação Saiba Já News

RAFAH, Faixa de Gaza — Os militares de Israel atingiram a casa da família do líder exilado do Hamas, nos arredores da Cidade de Gaza, com um ataque aéreo no sábado e prosseguiram com ataques no enclave sitiado onde uma crise humanitária está a piorar rapidamente.

Com a escassez de alimentos, água e combustível necessários para os geradores que alimentam hospitais e outras instalações, o secretário-geral da ONU, Antonio Guterres, apelou a um cessar-fogo imediato para permitir a entrada de ajuda.

“A situação humanitária em Gaza é horrível”, disse Guterres na noite de sexta-feira, numa declaração invulgarmente contundente. “Uma população inteira está traumatizada, nenhum lugar é seguro.”

Antony Blinken

O secretário de Estado dos EUA, Antony Blinken, está na região desde sexta-feira tentando encontrar maneiras de aliviar a situação dos civis apanhados nos combates e se reuniu com os ministros das Relações Exteriores árabes no sábado. A sua missão é complicada pela insistência de Israel de que não pode haver um cessar-fogo temporário até que todos os reféns detidos pelo Hamas sejam libertados.

Guterres disse que não se esqueceu do massacre de civis pelas mãos de militantes do Hamas quando estes lançaram o seu ataque a Israel há quase um mês, mas disse que os civis e a infra-estrutura civil devem ser protegidos. Ele também disse que os civis não devem ser usados ​​como escudos humanos e apelou ao Hamas para libertar todos os cerca de 240 reféns que possui.

  • Saiba já: Brasileiros deixarão Gaza? Veja o que disse o ministro das Relações Exteriores
  • Saiba mais: 32 Brasileiros que estavam na Cisjordânia são resgatados

A casa da família do líder exilado do Hamas, Ismail Haniyeh, no campo de refugiados de Shati, no extremo norte da Cidade de Gaza, foi atingida na manhã de sábado por um ataque aéreo, de acordo com o escritório de mídia administrado pelo Hamas em Gaza. Não houve detalhes imediatos sobre danos ou vítimas e não houve comentários imediatos.

Um alto funcionário do Hamas, Ghazi Hamad, disse à Associated Press que a casa estava sendo usada pelos dois filhos de Haniyeh.

A casa está localizada num beco estreito do campo de refugiados, que se tornou um bairro movimentado da Cidade de Gaza ao longo das gerações. Haniyeh, ex-assessor do fundador do Hamas, Ahmed Yassin, morto num ataque aéreo israelense em 2004, está exilado desde 2019.

As greves noturnas também atingiram a periferia oeste da cidade e perto do Hospital Al-Quds.

Adly Abu Taha, um residente da cidade de Gaza que se abrigou nas dependências do hospital nas últimas três semanas, disse que os ataques atingiram repetidamente perto do hospital nos últimos dias.

“O bombardeio fica mais próximo a cada dia”, disse ele por telefone. “Não sabemos para onde ir.”

Centenas de milhares de palestinos permanecem na cidade e no norte de Gaza.

Israel afirma que o Hamas possui uma extensa infra-estrutura militar na cidade, incluindo uma rede de túneis subterrâneos, bunkers e centros de comando. Diz que os seus ataques têm como alvo o Hamas e que os militantes colocam os civis em perigo ao operarem entre eles.

A cidade está agora cercada por forças israelenses, que têm instado os civis a seguirem para o sul para evitar serem apanhados nos combates.

Apesar destes avisos, Israel continuou a atacar no sul, dizendo que tem como alvo membros do Hamas, mas as bombas também estão a matar famílias inteiras.

Raed Mattar, que estava abrigado em uma escola na cidade de Khan Younis, no sul, depois de fugir do norte no início da guerra, disse no sábado que ouvia regularmente explosões, aparentemente de ataques aéreos.

“As pessoas nunca dormem”, disse ele. “O som das explosões nunca para.”

Cerca de 1,5 milhão de pessoas em Gaza, ou 70% da população, fugiram de suas casas, segundo a ONU

No centro de Khan Younis, um ataque aéreo na manhã de sábado destruiu a casa de uma família, com os socorristas retirando três corpos e seis feridos dos escombros.

Entre os mortos estava uma criança, de acordo com um cinegrafista da Associated Press presente no local.

Os militares israelenses disseram que as forças terrestres também estão operando no sul, com um corpo blindado e de engenharia trabalhando para remover armadilhas dos edifícios.

Durante a operação, os militares disseram que combatentes foram vistos saindo de um túnel e foram mortos pelas tropas israelenses.

Os militares disseram que também houve numerosos ataques realizados a partir de túneis contra as forças israelenses no norte da Faixa de Gaza.

Em outros lugares, os confrontos ao longo da fronteira norte de Israel continuaram na manhã de sábado, quando os militares israelenses disseram ter atacado células militantes no Líbano que tentavam atirar contra Israel, bem como um posto de observação do Hezbollah.

Ao longo da guerra, Israel e o Hezbollah, um aliado do Hamas, trocaram tiros quase diariamente ao longo da fronteira libanesa, aumentando o receio de que uma nova frente se abrisse ali.

No seu primeiro discurso público desde o início da guerra, o líder do Hezbollah, Hassan Nasrallah, sugeriu na sexta-feira que a escalada era possível, mas deu poucos sinais de que o Hezbollah se envolveria totalmente nos combates. Até agora, o Hezbollah tomou medidas calculadas para mostrar apoio ao Hamas sem desencadear uma guerra total que seria devastadora para o Líbano e Israel.

Veja na BBC: Hezbollah recua da guerra total contra Israel por causa de Gaza – por enquanto

Veja no G1: Israel faz novos bombardeios em Gaza; ACOMPANHE

Veja no R7: Israel concentra esforços para localizar, explodir e demolir túneis dos terroristas do Hamas em Gaza