Três reféns mortos por engano por tropas israelenses seguravam uma bandeira branca, disse oficial militar

Por Redação Saiba Já News
A fumaça sobe após um bombardeio israelense na Faixa de Gaza, vista do sul de Israel, sábado, 16 de dezembro de 2023. (AP Photo/Ariel Schalit)

Três reféns israelenses que foram baleados por engano por tropas israelenses na Faixa de Gaza estavam agitando uma bandeira branca e sem camisa quando foram mortos, afirmou um oficial militar no sábado, marcando o primeiro reconhecimento de Israel de qualquer prejudicamento de reféns em sua guerra contra o Hamas.

A indignação pelos assassinatos equivocados provavelmente aumentará a pressão sobre o governo israelense para renovar as negociações mediadas pelo Catar com o Hamas sobre a troca de mais prisioneiros remanescentes, estimados em mais de 130, por palestinos detidos em Israel. O Hamas condicionou novas liberações à suspensão da campanha aérea e terrestre de Israel em Gaza, enquanto os líderes israelenses afirmaram que a libertação dos reféns só pode ser alcançada por meio de pressão militar.

O relato de como os reféns morreram tem levantado questões sobre a conduta das tropas terrestres israelenses. Os palestinos relataram em várias ocasiões que os soldados israelenses abriram fogo enquanto civis tentavam fugir para um local seguro. O Hamas afirmou que outros reféns foram mortos anteriormente por tiros ou ataques aéreos israelenses, sem apresentar provas.

O oficial militar israelense, que falou sob condição de anonimato para informar os repórteres de acordo com os regulamentos militares, disse que era provável que os reféns tivessem sido abandonados por seus capturadores ou tivessem escapado. O comportamento dos soldados estava “em desacordo com as nossas regras de engajamento”, disse o oficial, e estava sendo investigado em nível mais alto.

Os reféns, todos na faixa dos 20 anos, foram mortos na sexta-feira na área de Shijaiyah, na cidade de Gaza, onde as tropas estão envolvidas em intensos combates com militantes do Hamas. Eles estavam entre as mais de 240 pessoas feitas reféns durante um ataque sem precedentes do Hamas em Israel em 7 de outubro, no qual cerca de 1.200 pessoas foram mortas, a maioria delas civis. O ataque desencadeou a guerra.

A situação dos reféns tem dominado o discurso público em Israel, e suas famílias lideraram uma poderosa campanha pedindo ao governo para fazer mais para trazê-los de volta para casa.

Falando em um comício no sábado à noite em Tel Aviv, Rubi Chen, pai do refém Itay Chen, de 19 anos, criticou o governo por acreditar que os reféns poderiam ser resgatados por meio de pressão militar contínua sobre o Hamas. “Coloque a melhor oferta na mesa para trazer os reféns de volta para casa vivos”, disse ele. “Não os queremos de volta em caixões. Não temos tempo”, acrescentou, segurando uma ampulheta.

O oficial militar israelense disse que os três reféns saíram de um prédio próximo às posições dos soldados israelenses. Eles estavam agitando uma bandeira branca e estavam sem camisa, possivelmente tentando sinalizar que não representavam ameaça.

Dois foram mortos imediatamente e o terceiro correu de volta para o prédio gritando por socorro em hebraico. O comandante emitiu uma ordem de cessar-fogo, mas uma nova rajada de tiros matou o terceiro homem, disse o oficial.

A mídia israelense apresentou um relato mais detalhado. O jornal de grande circulação Yediot Ahronot informou que, de acordo com uma investigação sobre o incidente, um atirador identificou os reféns como suspeitos quando eles surgiram, apesar de estarem desarmados, e atirou em dois dos três.

Os soldados seguiram o terceiro quando ele entrou correndo no prédio e se escondeu, gritando para que ele saísse, e pelo menos um soldado atirou nele quando ele saiu de uma escada, disse o Yediot Ahronot.

O jornal israelense Haaretz relatou algo semelhante com base em uma investigação preliminar, afirmando que os soldados que seguiram o terceiro refém acreditaram que ele era um membro do Hamas tentando atraí-los para uma armadilha.

Dahlia Scheindlin, uma pesquisadora e analista política israelense, disse que é improvável que os assassinatos equivocados alterem drasticamente o apoio público à guerra. A maioria dos israelenses ainda tem uma forte percepção do motivo pelo qual o Hamas está sendo combatido e acredita que o Hamas precisa ser derrotado, afirmou.

“Eles sentem que não há outra escolha”, acrescentou.

As mortes realçaram os perigos enfrentados pelos reféns mantidos em áreas de combate casa a casa, como Shijaiyah, onde nove soldados foram mortos nesta semana em uma emboscada em um dos dias mais letais para as forças terrestres na guerra. O exército disse que o Hamas colocou armadilhas em prédios e emboscou tropas depois de sair de uma rede de túneis que construiu sob a cidade de Gaza.

O Hamas libertou mais de 100 reféns em troca de prisioneiros palestinos durante um breve cessar-fogo em novembro. A maioria dos libertados em ambos os lados eram mulheres e menores de idade. As negociações para mais trocas fracassaram, com o Hamas buscando a libertação de mais prisioneiros veteranos em troca das soldados mulheres que detém.

O Hamas afirmou que só libertará os reféns restantes se Israel encerrar a guerra e libertar todos os prisioneiros palestinos. No final de novembro, Israel estava detendo quase 7 mil palestinos acusados ou condenados por crimes de segurança, incluindo centenas de pessoas presas desde o início da guerra.

A ofensiva já matou mais de 18.700 palestinos, segundo o Ministério da Saúde na Faixa de Gaza controlada pelo Hamas. O ministério não faz distinção entre mortes de civis e combatentes. A contagem não especificou quantos eram mulheres e menores de idade, mas eles representavam consistentemente cerca de dois terços dos mortos.

Essa foi a última atualização do ministério antes de um apagão nas comunicações que continua dificultando os serviços telefônicos e de internet na Faixa de Gaza. “Agora, estamos há 48 horas e contando. O incidente provavelmente limitará os relatórios e a visibilidade dos acontecimentos locais”, disse Alp Toker, diretor do NetBlocks, um grupo que rastreia interrupções na internet, à Associated Press.

Dezenas de pessoas realizaram orações fúnebres no sábado por Samer Abu Daqqa, um jornalista palestino que trabalhava para a rede Al Jazeera e foi morto na sexta-feira em um ataque israelense na cidade de Khan Younis, no sul. De acordo com o Comitê pela Proteção dos Jornalistas, o cinegrafista foi o 64º jornalista morto desde o início do conflito: 57 palestinos, quatro israelenses e três libaneses.

A guerra devastou grande parte do norte de Gaza e deslocou 85% da população do território, que possui 2,3 milhões de habitantes, de suas casas. As pessoas deslocadas se aglomeraram em abrigos, principalmente no sul, criando uma crescente crise humanitária. Apenas um pequeno fluxo de ajuda conseguiu entrar em Gaza, e a distribuição foi interrompida pelos combates.

Moradores do norte de Gaza, por sua vez, relataram bombardeios intensos e o som de tiros na cidade devastada de Gaza e no campo de refugiados urbanos de Jabaliya, nas proximidades.

“Foi um bombardeio violento”, disse Assad Abu Taha por telefone de Shijaiyah. Outro residente, Hamza Abu Seada, relatou intensos ataques aéreos em Jabaliya, com sons ininterruptos de explosões e tiros.

Os Estados Unidos, o aliado mais próximo de Israel, têm expressado desconforto com o fracasso de Israel em reduzir vítimas civis e com seus planos para o futuro de Gaza, mas a Casa Branca continua a oferecer apoio por meio de remessas de armas e apoio diplomático.

Espera-se que o secretário de Defesa dos EUA, Lloyd Austin, visite Israel em breve para continuar as discussões sobre um cronograma para encerrar a fase intensa de combate da guerra.

Os EUA têm pressionado Israel a permitir mais ajuda a Gaza, e o governo disse que abriria um segundo ponto de entrada para acelerar as entregas.