Guerra na Ucrânia deve terminar, diz presidente sul-africano a Putin

Por Repórter Jota Silva
Presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa e o líder da Rússia, Vladimir Putin.

A guerra na Ucrânia deve terminar, disse o presidente da África do Sul, Cyril Ramaphosa, ao líder da Rússia, Vladimir Putin.

As observações de Ramaphosa foram feitas quando ele se encontrou com Putin em São Petersburgo no sábado, como parte de uma missão de paz com outros seis países africanos.

O presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse à delegação na sexta-feira que não entraria em negociações com a Rússia enquanto eles ocupassem terras ucranianas.

Putin disse aos líderes africanos que a Ucrânia sempre recusou negociações.

Na reunião em São Petersburgo, Ramaphosa também pediu que ambas as partes devolvessem seus prisioneiros de guerra e disse que as crianças removidas pela Rússia deveriam ser devolvidas para casa.

Putin foi acusado de crimes de guerra pelo Tribunal Penal Internacional pela remoção forçada de centenas de crianças ucranianas de suas famílias durante a ocupação russa da Ucrânia.

Enquanto a delegação africana pedia o retorno das crianças às suas famílias, Putin interrompeu seu discurso e afirmou que a Rússia as estava protegendo.

“Crianças são sagradas. Nós as tiramos da zona de conflito, salvando suas vidas e saúde”, afirmou. A ONU disse ter evidências da transferência ilegal de centenas de crianças ucranianas para a Rússia.

Ramaphosa também alertou Putin sobre os impactos da guerra na África e disse que isso deveria ser resolvido pela diplomacia.

“A guerra não pode durar para sempre. Todas as guerras devem ser resolvidas e chegar ao fim em algum momento”, disse ele. “E estamos aqui para comunicar uma mensagem muito clara de que gostaríamos que esta guerra terminasse.”

A guerra restringiu severamente a exportação de grãos da Ucrânia e fertilizantes da Rússia, o que afetou os países africanos em particular e intensificou a insegurança alimentar global.

Mas Putin culpou o Ocidente pela crise dos grãos – não pela guerra na Ucrânia -, pois disse que apenas 3% das exportações de grãos permitidas sob um acordo patrocinado pela ONU para garantir sua passagem segura pelo Mar Negro foram para os países mais pobres do mundo. .

A Rússia reclamou repetidamente que as sanções ocidentais estão restringindo suas próprias exportações agrícolas. O porta-voz do Kremlin, Dmitry Peskov, disse que “não há motivos para estender” o acordo de grãos, porque “até agora o que nos foi prometido não foi feito”.

Putin elogiou o que descreveu como a posição equilibrada da África sobre a guerra, que a Rússia continua a chamar de “operação militar especial”.

A delegação africana, composta por representantes da África do Sul, Egito, Senegal, Congo-Brazzaville, Comores, Zâmbia e Uganda, foi projetada especificamente para amplitude e equilíbrio, com membros de diferentes partes da África com diferentes visões sobre o conflito.

A África do Sul e Uganda são vistas como inclinadas para a Rússia, enquanto Zâmbia e Comores estão mais próximas do Ocidente. Egito, Senegal e Congo-Brazzaville permaneceram amplamente neutros.

Os países africanos viram o conflito principalmente como um confronto entre a Rússia e o Ocidente.

A delegação também se reuniu com líderes ucranianos na sexta-feira, onde Ramaphosa alertou que a guerra na Europa está afetando entre 1,2 e 1,3 bilhão de pessoas na África.

Depois que os líderes desembarcaram, sirenes de ataque aéreo soaram na capital da Ucrânia, Kiev, o que o ministro das Relações Exteriores da Ucrânia, Dmytro Kuleba, disse demonstrar que Putin queria “mais guerra”.

Durante a reunião, Zelensky disse à delegação que “um importante resultado de sua missão” seria interceder para conseguir a libertação de prisioneiros políticos detidos pela Rússia.

A reunião ocorre em meio a tensões elevadas entre a Rússia e a Ucrânia, já que a Ucrânia lança sua contra-ofensiva perto da região de Bakhmut.

A Rússia afirmou que a contraofensiva falhou, mas Kiev disse que retomou cerca de 100 quilômetros quadrados de território em sua frente sul.