Rússia diz ter derrotado grande contraofensiva ucraniana

Por Repórter Jota Silva
Rússia diz ter frustrado uma grande contraofensiva ucraniana.

O Ministério da Defesa da Rússia diz ter frustrado uma grande contraofensiva ucraniana em Donetsk, alegando ter matado 250 soldados e destruído 16 veículos blindados.

A alegação da Rússia não foi verificada de forma independente. E na segunda-feira, os militares da Ucrânia disseram que não tinham informações sobre uma grande ofensiva na região.

“Não temos essas informações e não comentamos nenhum tipo de falsificação”, disse um porta-voz do Exército ucraniano à Reuters.

Uma contraofensiva ucraniana é esperada há muito tempo, mas Kiev disse anteriormente que não avisaria com antecedência sobre seu início.

Mas com a Ucrânia alegando ter feito ganhos marginais em outras partes da linha de frente, houve um aumento notável na atividade militar.

Os últimos relatórios estão, portanto, sendo vistos como um novo sinal de que a esperada ofensiva ucraniana pode ter começado.

O Ministério da Defesa da Rússia disse que a Ucrânia lançou a “ofensiva em larga escala” na região de Donetsk no domingo usando seis batalhões mecanizados e dois de tanques.

Ele afirmou que os ucranianos tentaram romper as defesas russas no que Kiev viu como a parte mais vulnerável da linha de frente – mas que “não cumpriu suas tarefas, não teve sucesso”.

Houve um aumento significativo nas mensagens ucranianas sobre quando e como sua tão esperada contraofensiva poderia tomar forma.

A Ucrânia planeja uma contraofensiva há meses. Mas tem desejado o máximo de tempo possível para treinar tropas e receber equipamento militar de aliados ocidentais.

Autoridades em Kiev alertaram contra a especulação pública sobre a ofensiva, dizendo que ela poderia ajudar o inimigo.

“Os planos amam o silêncio. Não haverá anúncio do início”, disse o Ministério da Defesa em um vídeo postado no Telegram no domingo. A filmagem mostrava soldados mascarados e bem armados segurando os dedos contra os lábios.

A Ucrânia levará tempo para atingir seu objetivo de libertar o território tomado pela Rússia há nove anos.

E Moscou teve tempo de se preparar. Isso significa que, se a Ucrânia for capaz de montar uma contraofensiva, vai demorar um pouco.

Muito está em jogo porque o governo de Kiev precisa mostrar ao povo da Ucrânia – e aos aliados ocidentais – que pode romper as linhas russas, acabar com o impasse militar efetivo e recapturar parte de seu território soberano.

O comandante das forças terrestres da Ucrânia, Oleksandr Syrskyi, disse que as tropas estavam “avançando” em direção a Bakhmut e destruíram uma posição russa perto da cidade.

Em outro lugar, combatentes contrários ao governo em Moscou dizem ter capturado alguns soldados russos em Belgorod, perto da fronteira com a Ucrânia.

A reivindicação foi feita pela Legião da Liberdade da Rússia (FRL), que descreveu o anúncio como uma declaração conjunta com o Corpo de Voluntários Russos (RDK).

Ambos os grupos querem derrubar o presidente Vladimir Putin. Eles se opõem à invasão em grande escala da Ucrânia que ele lançou em fevereiro do ano passado.

O principal oficial de Belgorod, Vyacheslav Gladkov, respondeu dizendo que havia concordado em encontrar os captores dos homens se os soldados ainda estivessem vivos. Mas os combatentes disseram mais tarde que o governador “não teve coragem” de enfrentá-los e que entregariam seus cativos à Ucrânia.

A Rússia culpou a Ucrânia pelos recentes ataques em seus territórios fronteiriços, mas Kiev nega estar diretamente envolvido.

Autoridades em Belgorod disseram que uma usina de energia estava em chamas após um ataque de drone na manhã de segunda-feira.

E na região russa de Kaluga – que faz fronteira com os distritos do sul ao redor de Moscou – o governador Vladislav Shapsha disse que dois drones caíram em uma estrada principal. Shapsha disse que não houve explosão e que a área foi isolada.

Não houve confirmação independente de nenhum dos ataques, mas Moscou diz que a região de Belgorod tem sido alvo regular de ataques de drones da Ucrânia.