Aeronave do Estado agiliza transplante em Maringá com captação rápida em Ponta Porã

Por Repórter Jota Silva

Transplante – Uma aeronave do Governo do Estado, administrada pela Casa Militar, realizou o primeiro transporte de órgãos do ano nesta quinta-feira (5). Assim, a equipe médica da Central de Transplantes de Maringá se deslocou até o município de Ponta Porã, no Mato Grosso do Sul, para coletar rins e fígados e levá-los até o um hospital no município do Noroeste paranaense. O trajeto de 250 quilômetros, que levaria em média 7h30 de carro, foi realizado em menos de 1h pela aeronave King C90.

O Paraná é referência nacional no transplante de órgãos, o que se deve a uma série de fatores, entre eles, a estrutura disponível para viabilizar o transporte dos órgãos com muita rapidez. A agilidade é crucial para o sucesso do procedimento por conta do tempo de conservação dos órgãos. Um coração, por exemplo, precisa ser transplantado em até quatro horas. Entretanto, para um transplante de fígado são necessárias 12 horas.

Assim, atualmente, o Sistema Estadual de Transplantes conta com nove veículos e um veículo em cada Organização de Procura de Órgãos (OPO): Cascavel, Curitiba, Londrina e Maringá. Soma-se a isso uma equipe de motoristas em Curitiba. Bem como o apoio da rede de transporte das Regionais de Saúde no Interior do Estado, bem como das aeronaves à disposição que garantem a agilidade necessária no transporte.

A estrutura robusta se reflete nos números. Entre 2019 e 2022, foram realizadas 362 missões, uma soma de mil horas de voo. Só em 2022, foram 79 missões, totalizando 218 horas de voo.

  • Maringá é a segunda cidade com maior crescimento populacional do Paraná, aponta IBGE

Referência em em transplante

O Estado é líder nacional em doação por milhão de habitantes. De acordo com o último relatório da Associação Brasileira de Transplante de Órgãos (ABTO), entidade nacional que faz o levantamento desses números, de janeiro a junho deste ano o Paraná registrou 39,7 doações de órgãos por milhão de população. Um aumento de 10% em relação ao índice registrado no final de 2021 (35,8). O Paraná é seguido pelos estados de Santa Catarina (37,9 pmp) e Ceará (24,9 pmp). A média nacional é de 15,4 pmp.

Portanto, o Paraná também é líder no transplante de rim por milhão de população. Dessa forma com indicador de 36,6 pmp, e fica com a vice-liderança no transplante de fígado (26 pmp). Nesses dois casos as médias nacionais são de 22,3 pmp e 9,4 pmp, respectivamente. O Estado ainda apareceu entre as seis unidades da Federação que mais fizeram transplantes de pâncreas (0,7 pmp), pulmão (0,2 pmp), medula óssea (29,1 pmp) e córnea (70,2 pmp).